segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Do crescer



E aprendemos que a diferença subliminar que nos parece existir entre o esconder um desgosto e o guardar esse desgosto, não será tão subliminar assim. O guardar implica a colocação de tudo o que a ele se refere no melhor lugar de nós. Isso permite aceitar o que não é, porque não é e ainda assim conseguir ver de uma forma extra sensorial a grandiosidade do que podia ter sido e amar a cada instante essa grandiosidade. Aprendemos que a vida continua se nós assim o quisermos, mesmo quando o tudo nos deita fora ao abandono.   Aprendemos que a casa branca poderá nunca ser construída, mas que a casa de bonecas nunca vai deixar de existir.  Um dia, a Princesa será a Rainha.