quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Natal



As alegrias partilham-se. Os desgostos consomem-se até deles não existir rasto. Assim me ensinou uma senhora que já muito sabe. Assim o reforçou na mensagem de Natal que me enviou. Na realidade, nem sempre é Natal em todos os recantos de mim. Mas, em cada lugar do meu ser em que o Natal acontece, a paz, a alegria, o quente, assumem proporções dignas da partilha. Este Natal não me trouxe presentes físicos mas antes um presente maior. A certeza que o Natal de 2015 será muito melhor e a definição clara do que tenho de fazer para que isso aconteça. Grata. Sempre cada vez mais grata.