segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Eu, que sou feita de fé



Isto é mesmo assim. Existem dias que valem anos. Dias de verdades doídas, mas tão necessárias. Dias de encontros, embora ainda cheios de reservas. Dias onde as urgências acontecem, as distâncias diminuem e os sonhos aumentam. Dias em que falamos para ouvir ou por vezes para ter o nada como resposta. E é quando descobrimos que aquela chama, aquela velha chama já quase sem vida, se volta acender com um simples e leve sopro. É quando descobrimos que entre o que fomos e o que podemos ser, a alma lateja e a magia surge. E que é nesse intervalo que a alma, de facto, se acerta. São dias adultos. Porque sempre perto de desacreditar o milagre acontece. E, eu, que sou feita de fé, também sou feita do amor que torna possíveis todas as coisas.