quinta-feira, 12 de novembro de 2015

#registosmuitopessoais [ porque isto não é um lifestyle blog ]

                           
    


Rita Leston tem uma frase que diz: Não sou perfeita. Mas sou perfeitamente eu. Isto define na [ perfeição ] aqueles que escolhem viver com autenticidade, os que não se escondem atrás de uma falsa descrição que na realidade não passa de hipocrisia. São estes, os hipócritas, que criticam os autênticos. Os autênticos que erram. Os autênticos que se entregam. Os autênticos que sonham, que planeiam e conquistam, coisas pequeninas mas cheias de um valor inimaginável.  Os autênticos que não raras vezes se deixam magoar. Os autênticos que tudo merecem mas que sempre tão focados no que os outros precisam, disso se esquecem. O que os falsos discretos não sabem [ porque tão  imersos que vivem na tentativa de não lhes ser descoberta a hipocrisia que os habita e por isso não evoluem ] é que os autênticos que caem e se levantam e caiem outra vez erguendo-se novamente, no intervalo desta dinâmica, acumulam sabedoria, a sabedoria que lhes permite o alinhamento, o alinhamento que os eleva para um Deus maior, o Deus de todas as coisas.