segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

T R É G U A S #registosmuitopessoais [ porque isto não é um lifestyleblog ]


   

Existem noites em que nada nos faz adormecer. Esta noite foi assim uma dessas e fui aproveitando para trabalhar, planificar acções e entre pensamentos perdidos encontrei-me a constatar uma coisa. Tive três filhos, todos de parto normal, todos sem epidural por opção própria, e lembrava que ao nascimento da terceira, sozinha naquela sala com aquela equipa de mulheres fabulosa ao meu redor me senti por breves instantes a rainha do mundo, a mulher mais poderosa de todos os tempos, sei agora, só agora, o  porquê de ter sentido tal emoção que me encheu de uma energia ímpar capaz de viver tudo o que vivi nos três anos seguintes. Durante muito tempo, anos confesso alimentei esta ideia de ser a rainha da cocada por ter sido capaz de três grandes actos heróicos [ coisas que as loucas pensam ]. Hoje sei que nada disto me torna rainha de coisa alguma [ até porque a minha bisavó teve nove e todos em piores situações ] . O que faz de mim uma rainha de um especial reinado é poder sentar o corpinho no sofá depois de um domingo dedicado ao silêncio, ao cuidado esfalfado da casa, da vida lavada com lágrimas e ouvi-los brincar e rir perdidamente das coisas que de tão puramente deles ninguém mais entende, ver sair os mais velhos juntos para verem o seu Benfica numa rara cumplicidade, olhar para o lado e ver a pequena absorvida no livro das palavras cruzadas com a televisão desligada e pensar para comigo [ do que te queixas tu mulher !?! ] . No meio da minha imperfeição senti-me perfeita. E determinei que é momento de dar tréguas a mim mesma e de deixar de me criticar de forma tão violenta. Afinal a vida prometeu-me que ia correr tudo bem e #ahoradeserfelizéagora.