terça-feira, 30 de agosto de 2016

#sonharenuncaparardefazer

                      
   




Muito mudou, nestes meses que não escrevi aqui. Curioso, agora embalada pelo som das teclas e da alma talvez perceba que, na verdade pouco ou nada mudou. Talvez só me tenha descoberto  e apaixonado por mim. O mais engraçado é que isto já aconteceu, uma e outra vez, e outra ainda, mas nunca como agora, nunca com a mesma intensidade, com a mesma conexão, com a mesma sensação de plenitude. Tudo em mim é emoção. Tudo em mim fervilha num mar de tranquilidade que ainda estranho, que ainda questiono. Sim, terei habituado o meu ser e os que me rodeiam a um EU intenso, dessassogadamente sensível e este Eu que se renasceu do desapego ainda me causa estranheza mas, a libertação que dele advém é sublime. E volto a escrever no meu jardim de alfazema certa de só encontrar sentido e felicidade se partilhar, se falar, se escrever, se ler, se escutar...se sentir, mesmo que doa, que arrepanhe a alma, que trema, que caia...mesmo que tenha de recomeçar tudo uma e outra vez. Porque acima de tudo na alma tenho gravado a ferro quente : #sonharenuncaparardefazer